segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Análise [12] - Long Live the Queen - Ser rainha não é fácil, ainda mais com tantos caminhos a seguir


A minha manhã de domingo seria como todas as outras... bem, exceto que estamos no final do ano, o que significa as vendas absurdas de final de ano na Steam, a loja virtual da Valve que vende diversos jogos, lançamentos inclusive, a preços ridículos comparados com os jogos em mídia física. Para a minha surpresa, um desses jogos era justamente um que havia descoberto um tempo atrás (em seu lançamento da Steam, por ter sido aceito no seu programa Greenlight) e que estava nas promoções relâmpago do sistema. Não hesitei e comprei o jogo, e após alguns módicos minutos para o download pelo seu tamanho reduzido, tive uma grande e agradável surpresa.

O jogo foi escrito na engine Ren'Py (mesma de Katawa Shoujo) e desenvolvido pela Hanako Games, que já produziu alguns outros jogos parecidos antes. Apesar de Long Live the Queen não ser considerado uma visual novel de acordo com o próprio site, ela é assim considerada pela VNDB (o que faz sentido, por couber exatamente na definição de visual novel das nossas postagens sobre Um Pouco sobre Visual Novels) e tem inúmeras escolhas e jeitos diferentes de se jogar. No começo, você não vai saber o que fazer, mas se você curtir o esquema do jogo de tentativa e erro, vai ficar mais que feliz em estudar (acredite!) e correr caminhos diferentes (trágicos ou hilários) a cada nova partida. Acredite, você vai fazer isso muitas vezes sem passar pela mesma experiência duas vezes.

Bem, chega de papo e vamos começar a análise! Esta aqui vai ser curta, mas espero que ela o iluda, caso você esteja em dúvida antes de pôr a mão no bolso para este jogo.

História e Rotas
A história é muito simples: você toma o papel de Elodie, uma jovem de 14 anos (sim, 14-fucking-anos!!) que é filha do rei e rainha do reino de Nova. Poucos meses após seu aniversário, sua mãe acabou falecendo, e como Elodie ainda não tem 15 anos completos para assumir o posto de rainha, ela deve aguentar as turbulências do seu reino por mais 40 semanas, tempo restante até ela ter idade suficiente para ascender ao trono real.

Nesse tempo, ela enfrentará de tudo. Desde gente da nobreza que quer aplicar um golpe de estado na futura rainha até uma guerra de verdade entre reinos diferentes, tudo pode acontecer dependendo das suas próprias ações... e são várias ações que você enfrenta, diga-se de passagem.

O final é tecnicamente um só, o de propriamente se tornar rainha, mas *como* você vai chegar até lá é a grande sacada do jogo. Ao todo, são 11 jeitos que você pode morrer totalmente diferentes, e se você conseguir sobreviver tudo, ainda existem 22 destinos para os diversos personagens da história, com mais de 39 conquistas mais elaboradas que você pode fazer, que vão desde mandar alguém para a forca ou mesmo se tornar uma garota mágica... sim, neste universo, há os Lumens, pessoas da nobreza com magia no sangue, e que, com o devido treinamento, podem aprender a detectar magia , resistir magias de oponentes, ou mesmo projetar uma lâmina mágica do nada para lutar. Invenção minha? Cópia de Fate/Stay Night? Fale o que quiser, mas o que citei aqui são apenas algumas das diversas possibilidades que você terá neste único jogo, que diga-se de passagem, não demora mais que 5 horas para você zerá-lo, mesmo indo do começo ao fim e se dando bem em todas as suas escolhas.


Traços, Trilha Sonora e Animação
Os traços são bem básicos para jogos desse tipo. Nada de surpreendente, mas não tão ruim se comparar com demais VNs de baixo orçamento (como Narcissu, mesmo sendo uma obra muito bacana produzida usando tão pouco dinheiro). Você pode criticar o fato de não ter tantos desenhos para demais personagens que não incluam a própria protagonista, e você está certo nesse quesito... porém, você não vai sentir tanta diferença nisso... a menos que você seja obcecado com isso.

A trilha sonora também é bem simplória, contando apenas com umas 5 ou 6 músicas tocadas por um piano, mas que ainda faz um bom papel para a descrição geral das cenas. Como animação, apenas temos uns efeitos visuais simples de transição, e portanto, é algo que passa desapercebido por vezes.

Opinião
Watashi... mahou shoujo ni naru!... tá, ela não se encontra com o Kyuubei, mas ela pode aprender magia mesmo.
Se você leu a seção anterior, provavelmente acha que este jogo também é ridiculamente simples e/ou fácil, certo? ERRADO! Este jogo é tudo, menos fácil ou simples. Ao todo, são 14 tópicos para você estudar, com 3 sub-tópicos em cada um (veja imagem abaixo para se ter uma noção). Cada um deles participará, em algum momento (ou em vários deles, dependendo da importância do assunto) e influenciará diretamente as escolhas que você pode fazer.

Pode ser que uma estrela cadente que você viu no céu um dia signifique que uma guerra está se aproximando, possibilitando que você antecipe o recrutamento de mais tropas. Pode ser que o seu estudo de medicina na frente de batalha venha a calhar caso você seja atacada de surpresa. Pode ser que um presente inusitado signifique, na vida da nobreza, que essa pessoa quer se casar com você. Pode ser que seu discernimento em magia evite que você morra ao duelar contra alguém. Essas são apenas algumas das coisas que podem acontecer, e cada evento pode se desdobrar de um jeito dependendo de seus estudos. Caso alguém lhe convide para um duelo, você pode enfrentá-lo usando suas habilidades com a espada, ou mesmo fazê-lo queimar instantaneamente usando sua magia. Você pode sair para uma festa da nobreza e acabar dando uma excelente impressão sobre a sua elegância e postura, mas também pode causar a impressão que você não passa de uma despreparada criança e fazer com que todos bolem uma manobra política para arruinar sua vida.

O jogo pode sequer ter vozes para os personagens, mas com certeza tudo isso é compensado com a história que você pode criar ao ter tantos atributos para investir. Como se isso não fosse suficiente, o comportamento da princesa pode mudar, também. Se ela se sentir alegre, por exemplo, ela pode estar mais disposta a fazer exercícios físicos, enquanto se ela estiver com medo, ela estará mais propícia a passar o tempo meditando ou aprendendo sinais de presságios. No final das contas, é você quem decide o que a candidata à rainha fará ou não, o que ela estudará ou não, mas é justamente por isso que o resultado que você obtém não é um mero "decoreba" (a menos que você queira ser um completista e obter todos os finais possíveis) dos muitos eventos que acontecem. Se você morrer, é porque você tomou decisões erradas na hora de escolher tópicos para estudar, ou que ainda estava despreparado para comparecer a um evento, ou que você falhou em "puxar a sardinha para o seu lado", como tentar fazer um assunto tender para a área que você tem mais estudo... claro, na medida do possível.

Como lado negativo, no entanto, o jogo é tipo um Dark Souls em formato de visual novel: é tudo na base da tentativa e erro. Não vai ter como você zerar esse jogo na moral sem salvar o jogo no meio do caminho algumas vezes e escolhendo as matérias certas para você não cair nas ciladas. Infelizmente também, o único incentivo seu para isso é a curiosidade de ver o que vai acontecer no final, não havendo múltiplos finais na sua coroação (exceto no *como* você fará isso). Além disso, alguns atributos que você deve dar mais prioridade também são coisas que você percebe nessas tentativas e erros: treinar seu cachorro ou seu falcão de estimação (?) rarissimamente vai salvar a sua vida, enquanto investir em saber sobre as intrigas e a história locais serão de muita valia. Dependendo do estilão do seu personagem, pode não ser vantajoso investir pesado em estratégia militar, mas sim em ser mais sociável com os nobres e as massas. Você deve ter em mente o perfil de uma rainha exemplar, do contrário, você vai cair em muitas armadilhas ou mesmo acabar se dando mal ao tentar dar uma boa impressão.

Veredito Final

Pontos Fortes 
      *Imensa variedade de escolhas e caminhos para seguir no jogo
      *Sensação de estar criando sua própria história, já que todas as suas ações têm consequências diretas na história do jogo.
      *Imenso valor de replay
      *Jogo relativamente barato (se comprar na Steam, pelo menos)
      *Várias roupas para habilitar, caso goste de personalizar sua personagem

 - Pontos Fracos
      *Sem vozes para as personagens e trilha sonora bem modesta
      *Muito poucas CGs
      *Alguns finais podem ser frustrantes nas primeiras vezes que você joga
      *Necessidade de salvar frequentemente para sobreviver
      *Pode não ser o jogo ideal para fazê-lo amar visual novels

Nota: 7,0/10

Opinião final: É um bom jogo, mas o seu verdadeiro potencial depende do próprio jogador. Se você for alguém que gosta de explorar finais diferentes e de explorar cada detalhe de visual novels com elementos de RPG (apesar de não ter nada baseado na sorte neste jogo. Os testes que você passa ou deixa de passar são baseados apenas no que você já aprendeu antes), você com certeza vai se deleitar com esse jogo, recomendando facilmente comprar este jogo. Pra se ter uma ideia, um dos finais que eu consegui ao investir pesadamente em conhecimento mágico parecia que a rainha se tornou uma verdadeira ditadora absolutista, conseguindo encerrar uma guerra inteira com as próprias mãos e queimar todos aqueles que a opusessem... e foi MUITO legal.

Como disse antes, é um jogo que apenas a sua experiência em se colocar no lugar de uma rainha (por mais estranho que isso possa soar vindo de um jogador homem) conta para progredir na história. Pode não ter fatos interessantes baseados na vida real (afinal, não há uma idade certa para assumir o trono em uma monarquia), mas o fato do jogo colocar o jogador em várias situações onde ele deve escolher em aceitar a ajuda de um estranho ou perder um possível aliado de grande importância depende apenas do seu próprio esforço em se aprofundar nos estudos e de ter bom senso entre quais ações escolher. Eu esperava que o comportamento da protagonista influenciasse diretamente em quais escolhas estariam disponíveis, mas na verdade, é só a "disposição" dela pra estudar algumas matérias... o que me fez tirar um pouco de nota do jogo, mas que ainda assim ganhasse minha recomendação.

Vale a pena comprar esse jogo?
É um jogo simples (também, são só 50mb), mas com muitas escolhas e situações bem possíveis, por mais que tenha só um ou outro momento engraçado escondido. Como está tão barato (ou melhor, estava... queria lançar essa análise ainda enquanto estava na promoção, mas 8 horas pra jogar e escrever é tenso...), é bem provável que tenhamos outro período de 50% de desconto no jogo daqui a algumas semanas. Se esse dia chegar, recomendo dar uma olhada e também apoiar desenvolvedores desses jogos. Agora, se você se preocupa muito com qualidade e/ou quer algo mais complexo, tem outras VNs boas para você investir (como Dysfunctional Systems, por exemplo)

Nesse jogo, é muito fácil você morrer, mas todas as mortes são justas, de quando você deixa de investir em alguma habilidade ou algo do gênero.

Bem, essa foi a nossa análise. Espero que tenham gostado, e se o jogo estiver na promoção mais uma vez, vale a pena dar uma pensada na hora de comprar!
Out.

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Sabia que a Bandai Namco tem um dating-sim desenvolvido com o criador de Homestuck?


Você pode até estar familiarizado com visual novels e saber dos nomes das maiores empresas no ramo, como, só para citar algumas, Key, minori, Circus, Navel, Nitroplus, KID e 07th Expansion. A Bandai Namco, apesar de não ter o costume de produzir visual novels, mas sim publicá-las, como Toradora Portable, Haganai Portable e Ore no Imouto (todos para PSP e que possuem traduções para o inglês), surpreendeu ao anuciar um tempo atrás que teria um jogo de dating-sim em browser (vulgo, que roda direto na internet sem precisar instalar nada) com personagens da marca. O que isso tem de especial? Ela foi desenvolvida pelo criador da série Homestuck, que você provavelmente já ouviu falar, e também tem seus personagens inseridos no jogo.

O jogo inclui vários personagens clássicos da Namco, tais como Hiromi de Burning Force, Blue Max de Sky Kid, Nidia de Dragon Spirit, Mr. Driller (do jogo, homônimo) e até uma personificação de uma nave de Galaga, bem como alguns dos personagens da série em MSPA, como Terezi, Jane Crocker e Davesprite. O enredo é bem simplório: você é um estudante da Namco High, e de algum jeito você parou na detenção com um bando de personagens de jogos da Namco e alguns estudantes que se transferiram (os de Homestuck), e após uma breve conversa entre eles (que você pode escolher ou simplesmente pular), você deverá escolher um clube para entrar, e assim você entra na rota do personagem que estiver no mesmo clube que você.


Aparentemente, é uma premissa interessante... só que não, pelo menos na execução. Primeiramente, o jogo se trata dos famosos "freemium", os quais você pode jogar de graça, mas com limitações, e no caso, limitações em quais rotas você pode escolher, o que é decepcionante, já que, como você pode imaginar, as melhores personagens tem que serem habilitadas pagando dinheiro de verdade (praticamente 2 dólares para um único personagem, 5 para 3 deles, ou 15 dólares pra já habilitar todo mundo)... e não, não tem outro jeito de habilitá-las (ou habilitá-los... tem rota pra amiguinhos também). Segundo, o jogo não tem qualquer dublagem ou música interessante o bastante para mantê-lo ligado na história... espera, eu falei história? Até a história das "rotas" dos personagens são incrivelmente chatas, a menos que você seja um fã assíduo dos personagens e tenha *muito* tempo sobrando nas mãos, assim como fala a página principal do jogo. Além disso tudo, não tem qualquer backlog para rever os textos caso você tenha clicado por engano ou simplesmente queira ler novamente a conversa, além de alguns diálogos serem corridos demais para você ler rapidamente... uma pena.

Após procurar um pouco, o jogo tem umas CGs específicas de algumas rotas e alguns diálogos podem mudar após zerar o jogo, mas para um jogo tão sem sal quanto esse, prefiro jogar os jogos que eu já tenho mesmo do que jogar as rotas gratuitas que também não me agradaram. Enfim, se você quer ter um pedaço da experiência, pode acessar a página clicando neste link, mas eu já deixei o aviso que não é lá grandes coisas esse jogo...


Bom, isso é tudo por hoje. A gente se vê, pessoal! ^^
Out.

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Olha que presente de Natal! Saya no Uta, traduzido para o Português, por nós! ^^


Véspera de Natal, todo mundo tá lotando os shoppings e lojas de R$1,99 para comprar o presente de familiares e amantes. O presente, de certa forma, é um meio para a pessoa agradecer o convívio com o próximo, agradecer os favores não pagos, ou simplesmente por ser uma tradição que ele segue a fim de manter o capitalismo proporcionar e compartilhar a felicidade com tantas pessoas.

Esse é um post bem curtinho, mas o seu conteúdo é bem relevante: é o nosso presente de Natal para todos os fãs de visual novels do Brasil que estiveram nos apoiando todo esse tempo. Ainda pode não ser um número muito expressivo se comparado com outros grupos e blogs com projetos e ideias diferentes que as nossas, mas ainda assim a gente se sente na obrigação de agracedê-las por tudo, e claro, ainda mantendo a nossa premissa de trazer cada vez mais visual novels para o português.


Não adianta enrolar mais: nosso presente é uma tradução completa do jogo Saya no Uta, uma obra de arte no âmbito das visual novels, escrita e dirigida por ninguém menos que Gen Urobuchi, o mesmo que se encarregou do storyboard de Mahou Shoujo Madoka Magica, Fate/Zero e Psycho;Pass. Mesmo sendo quase dez anos desde o lançamento original até a nossa tradução que estamos divulgando hoje, Saya no Uta se consolidou durante esse tempo como um dos maiores clássicos do gênero, tornando-se um jogo que merece ser jogado por todos, mesmo que seu conteúdo não seja para os de estômago fraco... é sério, você não tem noção do quão bizarro o jogo é e da abordagem de temas tão sensíveis até você jogá-lo.

Não vou ficar escrevendo parágrafos e mais parágrafos de texto aqui (vou fazer isso no site da ZFT), mas espero que vocês gostem da nossa tradução. Foi um trabalho bem puxado e cumprido em tempo recorde, mas mesmo assim, é uma tradução que você pode considerar nosso presente de natal para todos vocês ^^

O arquivo para download se encontra em nossa página de patches e traduções na Zero Force Translations, ou simplesmente clicando aqui para ser redirecionado até lá. Lembre-se de seguir todas as instruções exatamente como são passadas, e em caso de dúvida/crítica/agradecimento, mande-nos sua opinião por e-mail ou como comentário nesta postagem.


Bom, espero que tenham gostado do nosso presente de Natal, e aproveitem esse belíssimo jogo para fechar o ano!
Out.

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Sword Art Online: Hollow Fragment é o próximo jogo da série exclusivo para Vita



O ano virou, e parece que muita gente se esqueceu da febre que foi Sword Art Online, o melhor anime de 2012 para muita gente, por mais que a maioria tenha caído no hype que faziam na animação por causa do protagonista fodão comedor de pepecas. Agora que titãs se provaram melhores neste ano e a febre se desvencilhou um pouco, SAO ficou um pouco de lado, já que nada foi confirmado sobre uma segunda temporada da série e que o ritmo ainda está lento nas light novels originais da série (apesar de estarem num cenário já bem avançado posterior aos arcos de Aincrad e de ALO), escritas por Reki Kawahara (mesmo autor do belíssimo Accel World) e sem um mangá contínuo para despertar interesse por grupos de tradução de mangás.

Entretanto, para o nicho ainda vivo, proferindo aos quatro ventos que a série é a melhor que já existiu, confetes foram jogados aos céus com o anúncio do novo jogo da série. Hollow Fragment será exclusivo para o Vita (sério que ainda tão lançando jogos para ele?) e contará uma história alternativa para a série, um spin-off por assim dizer, onde Kirito se encontra com uma nova personagem, Firia, que possui uma espada com formato inusitado, explorando a parte de Aincrad chamada de Hollow Area, ou Área Vazia, uma área onde há vários inimigos perigosos e várias localidades estranhas.


O jogo promete, em comparação com o seu antecessor para PSP, ter visuais bem mais bonitos e ser um jogo bem maior, conforme você deve ter visto no trailer acima. Além disso, as personagens que você já se acostumou por causa do anime (incluindo a Leafa) estarão presentes, além de novas personagens também. A mecânica do jogo foi alterada um pouco também, talvez para se adaptar e pegar as vantagens dos diversos sensores do portátil, e tenho que confessar que fazer esse jogo, realmente, online, seria um atrativo e tanto... só não seria mais que o anúncio de uma tradução oficial do jogo para o inglês, né...

O jogo sairá no Japão dia 24 de Abril de 2014 pela Bandai Namco Games (relaxa, ela já desenvolveu/distribuiu vários jogos baseados em anime no Japão antes, esse não é o primeiro). O preço pode ser um pouco salgado, mas não significa que os fãs não possam pagar 60 dólares (ou 6170 ienes, como preferir) pela edição normal, ou mesmo 9980 ienes (praticamente 100 dólares) pela versão limitada, que como de costume nas versões limitadas de jogos japoneses, tem um livreto especial com a arte usada no jogo, um CD com a trilha sonora, mini-pôsteres e até um Blu-Ray especial com um OVA da série, que provavelmente deve rondar as internets num futuro próximo legendado para a nossa alegria.


Isso é tudo por hoje moçada. Até!
Out.

sábado, 7 de dezembro de 2013

Primeiras impressões - Shingeki no Kyojin (Mangá Brasileiro)

Marcador de página de graça?? PONTO PRA PANINI!
 O dia tão aguardado chegou. Pode ter demorado, já que os fãs estavam na febre de 40 graus com o anime da série, mas pelo menos somos um dos poucos países que tem o mangá de Shingeki no Kyojin traduzido para a nossa língua local.

A série que simplesmente ganhou o prêmio de anime do ano de 2013 e de longe foi o anime mais comentado na segunda metade deste ano que se passou, Shingeki no Kyojin é a série que começou como mangá do escritor Hajime Isayama em 2009, com seu primeiro tankobon publicado em 2010 pela Kodansha e que teve vendas tão expressivas que pouco mais de 2 anos depois, teve seu anime feita pela Production I.G. (Suisei no Gargantia, Ghost in the Shell, Genshiken), e como muitos de vocês já devem saber, quando sai um anime, o alcance dele é monstruoso, tanto porque a maioria do pessoal tem preguiça de ler mangá quanto porque é mais fácil de acompanhar (pelo menos é assim pra maioria do pessoal).

A Panini, muito esperta, aproveitou a chance e, como dona das publicações dos maiores shounens no Brasil como Naruto, Bleach, Dragon Ball e turma da Mônica One Piece, ela demorou pouco para conquistar a exclusividade dos direitos de publicação dos mangás da série por aqui, o que agradou os fãs assíduos que viviam acompanhando a série no mangá entre os lançamentos dos episódios.

Aqui, vou fazer uma análise do que achei do mangá em si e da qualidade de publicação do mesmo. Lembre-se, antes de me encher de hate nos comentários, este é apenas a minha opinião. Opinião é igual bunda: cada um tem a sua. E outra, não li o mangá online antes, então considere isso minha opinião "virgem", no sentido de que estou avaliando o mangá, não sob o ponto de vista de um fã, mas como um ponto de vista crítico, buscando coisas bacanas e falhas neste.

Véi, mas esse marcador de livro tá MUITO BONITO!... tá bom, vou falar do anime agora...
 A verdade é que este mangá me deu várias surpresas. Primeiro já veio no preço... bom, na verdade, nem tanto, pois os mangás da Panini sofreram um reajuste recente em aparentemente todas as suas séries, e portanto, adicionando um real a mais ao preço de "tabela" de R$10,90, com raras exceções atuais... agora, em compensação, suas páginas estão bem mais brancas do que antes, provavelmente por uma escolha melhor da gráfica que faz as impressões para a editora italiana.

Uma novidade que, de fato, não vinha antes é o marcador de página incluso em todos o volume 1 de Shingeki no Kyojin (que, aliás, foi traduzido pra "Ataque dos Titãs"... mas eu, particularmente, achei a tradução boa, bem como a escolha de fonte... e olha que eu prefiro mesmo o título original, mas nesse caso ficou maneiro), algo que nunca tinha ouvido falar que aconteceu antes. Eu coleciono marcadores de livro, então, boa notícia pra mim, ainda mais a parte do verso do marcador, que achei que seria simplesmente branco ou a mesma arte da parte da frente. Mesmo pra quem não coleciona, garanto que você vai curtir o jeitão do marcador.

Quanto ao restante dos aspectos físicos do mangá, é o de sempre praticamente: formato full-tanko igual One Piece e Bem-Vindo à N.H.K., páginas branquinhas, contracapa colorida, e tons de preto bem visíveis no mangá, por mais que em algumas páginas (ainda) dê pra ver o verso dependendo das condições de iluminação do seu quarto ou onde quer quer você esteja lendo. 

Eren lança umas frases fodas de vez em quando... pena que na batalha, o lance é outro
 Caso você ainda não conheça a série... não sei o que está fazendo aqui, mas enfim, explicarei a sinopse do anime: há muito tempo atrás, a humanidade era aterrorizada por titãs, seres colossais com alturas de 5 a 50 metros e incrivelmente resistentes a praticamente qualquer tipo de ataque que os humanos poderiam inventar, seja usando pólvora ou outros métodos. A humanidade (você vai ouvir muito essa palavra ainda, tanto no anime quanto no mangá) vivia confinada entre muralhas, selando-a do mundo externo, e com uma estrutura política monárquica, cujos membros que equivaleriam às forças armadas são divididos em três divisões: a divisão de guarnição, que cuida das muralhas, a de policiamento, que cuida da ordem dentro das muralhas, e a divisão de reconhecimento, que de vez em quando parte em operações fora das muralhas da cidade para tentar descobrir algo sobre os titãs, como demais fraquezas, fisionomia interna ou mesmo quem os criou (ah, quanto spoiler...). Eren tem um desejo de se juntar a este grupo de reconhecimento, para que as pessoas possam ser livres e pararem de viverem no que ele considera uma gaiola, mas vai, ao longo da história, descobrindo que seu sonho e sede de vingança pela sua mãe que morrera vítima destes titãs não é tão fácil ou simples quanto ele pensa.

O anime é dividido em 24 episódios, mas incrivelmente, só neste primeiro volume do mangá, os acontecimentos vão bem além do que eu esperava, indo até o começo da primeira batalha de Eren e Mikasa ao se formarem como soldados... e já nem me lembro qual episódio que é esse... 6º? 7º? Enfim, apesar de cortar os episódios do treinamento do Eren a manipular os equipamentos de manobra tridimensional e tudo mais, ainda achei que foi bastante coisa... o que nos dá o primeiro erro do mangá: É CORRIDO PRA DEDÉU!

Tá, eu assisti a primeira temporada do anime, mas poxa, do contrário, não entenderia lufas do mangá por si só. O começo dá pra entender, mas sei lá... deu uma impressão que passar nos exames de aceitação das "forças armadas" é tão fácil que o Eren pegou quinto lugar, enquanto o anime mostra que Eren e companhia passaram por maus bocados e muita ralação até chegar lá. Apesar disso, o restante da história não sofreu grandes mudanças, com exceção de certas cenas e explicações que não foram dadas no anime e que no mangá existe umas páginas só com informações sobre o universo da série e tudo mais.

Olha que arte bonita dos personagens... só que não, né... pô, até a Krista, que é uma belezinha no anime!!!
A arte de Hajime Isayama também foi outro parto pra eu aceitar. Sempre estou acostumado a ver mangás com desenhos bem limpos, com claros contorno dos personagens e complexidade no detalhamento dos cenários e aqui, não tive muito disso. Parece que o mangaká queria desenhar cada fio de cabelo das personagens, tornando o desenho sobrecarregado, além do excesso de uso nos contornos grossos nos objetos e efeitos especiais, além da típica distorção na estrutura dos personagens em alguns momentos. Não é algo tão difícil de se encontrar em mangás, mas tenho que confessar que me deixou decepcionado. Mesmo a arte do anime sendo um tanto estranha frente a demais animes lançados no mesmo período, dava pra acostumar no decorrer do tempo e aprender a gostar dela... só espero que seja esse o caso pro mangá, ao invés de me deparar com desenhos com desenhos inconstantes e estilos de desenho diferentes entre volumes... né, Hiro Mashima?

É normal às vezes você parar de ler o mangá simplesmente para admirar o cenário e tudo mais... mas aqui, são só construções simples que rodeiam a paisagem, e há até falhas de desenho (um rio e uma parede logo em frente, com um barco no meio disso? Foda, hein). Os personagens masculinos até foram bem desenhados, e suas expressões exageradas dão um ar que faz você sentir realmente desesperado junto com os demais habitantes (apesar do excesso de uso de lágrimas deles), além de ser um anime que, ao contrário de Naruto que quanto mais o cara apanha e grita, mais ele fica forte, aqui, se um titã te pegar, ferrou Bahia. Achei bem realista e maneiro por parte do autor manter isso aí tanto no mangá e ainda aceitarem isso pro anime na hora da produção... ah, e se você pensa que o personagem principal não morre ou é o último a morrer, tenho boas notícias para você que está cansado de clichês como este...

No mais, a história em si continua envolvente, o que é algo bom, e mesmo que a história mude mais pra frente do anime, vai ser bacana acompanhar as reações e acontecimentos tudo novamente. Eu tenho minhas reclamações com a série, sim, tanto pelo anime que, apesar de ser bom, não é aquela coca-cola toda que muitos fãs clamam em ser (assim como foi Sword Art Online ano passado), quanto pelo mangá que, sinceramente, tinha uma expectativa bem alta justamente por causa dessa hype. Se você quer conhecer a série, aconselho mesmo ver o anime e comprar o mangá apenas lá pra frente, a partir do ponto em que a história começa a se diferenciar do anime, ou mesmo, se a segunda temporada não for lançada no ano que vem, ver o que acontece enquanto dá seu suporte em forma de dinheiro para o criador da série (ou você acha que ler online dá dinheiro pro autor viver e poder ter o que comer?). Agora, fã é fã e vai comprar o mangá do mesmo jeito... bom, se você ainda tiver massa cinzenta nesse seu volume rosa na cabeça chamado de cérebro, pensa umas três vezes antes de assinar o mangá da série "só porque está barato"... não seja igual o Out... (y).

Aí, sim, essa arte da Mikasa ficou bonita e bem desenhada... mas não tá muito feminina pra mim...


Isso é tudo sobre minhas primeiras impressões? Gostou? Não? Prefere esperar pelo filme da série mesmo? Deixe seu comentário!

Até mais, gente.
Out.

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Este é Drag-On Dragoon 3, o hack-and-slash da Square Enix mais bonito (com história) que há


A Square Enix é uma produtora e tanto. Além de ter franquias muito boas em seu arsenal, como Final Fantasy (apesar do declínio da série), Deus Ex e Hitman, como também participa, às vezes na produção e em outras na distribuição, de jogos originais e conceitos cada vez mais interessantes, como Thief, Murdered: Soul Suspect e Bravely Default. Entretanto, não importa por onde vemos, a primeira imagem que nos vem a cabeça ao pensar na empresa (ou pelo menos pra mim é assim) é a cara dos seus belíssimos personagens renderizados em CG, que até já concorreram a muitos prêmios internacionais pela qualidade da animação gráfica.

O nome do jogo pode ser um tanto estranho, mas Drag-On Dragoon é um jogo que segue essa linha. Lançado originalmente como um exclusivo para o PS2, o jogo se tratava de um hack-and-slash nos padrões japoneses, então, se você já jogou Dynasty Warriors ou aquele joguinho do Ben 10, já tá sabendo como que funciona o esquema... ah, sim, God of War, também, né...

Agora, saca só na qualidade da animação do trailer que foi exibido na E3.


CA-
RA-
LHOW!!

Por isso que eu adoro a Square Enix. A animação é linda, a dublagem é muito foda e se encaixa direitinho nos personagens, e o enredo promete ter muitas reviravoltas no seu curso, além da matança de sempre que todos os viciados em aventuras curtem. A história basicamente narra uma dimensão onde 5 deusas trazeram paz ao mundo que era permeado de guerras e sangue. Até aí, tudo bacana, porém uma dessas deusas cantoras decidiu se rebelar e matar todas as outras... com a ajuda de um dragão... e tem um outro cara com cara de vilão, além disso... é, olha só, não é todo dia que você se vê jogos de dragões assim... ou não.

Não era só Persona, viu? Tá tendo jogo bom e exclusivo pro PS3 ainda, o que me anima ainda mais pra comprar esse console logo. Ainda não temos uma data de lançamento para o lançamento em inglês, enquanto lá no Japão, o jogo vai lançar dia 19 agora. Tem cara maneira? Tem. Vai ser bom? Olha, tem tudo pra ser... e por que diabos o jogo é exclusivo mesmo? Pelo mesmo motivo que Mass Effect era inicialmente exclusivo pro Caixão X 360, e agora as vendas das versões do jogo pro PS3 vende mais: dinheiro! Fora que os japoneses gostam mais da Sony mesmo... por ser japonesa... por que eu ainda estou escrevendo isso? Não sei.


Post simples hoje, mas é isso que o meu tempo permite. Até lá, a gente se vê!
Out.

sábado, 30 de novembro de 2013

Como assim, ninguém está falando da Visual Novel de Angel Beats!? Tem muita coisa pra se falar!


Bom, a menos que você viva numa bolha ou simplesmente só teve curiosidade de procurar sobre o assunto agora, já se foi confirmado a produção de um jogo oficial de Angel Beats! pela Key, a famosa empresa de visual novels responsável por sucessos e relíquias do gênero como Clannad, Kanon, Little Busters! e Rewrite.

Não muito tempo atrás (ou bastante, para quem está contando os dias), a Key lançou um anime com a P.A. Works (Tari Tari, Another, True Tears) chamado Angel Beats, contando a célebre história de Yuzuru Otonashi ao perceber que havia morrido e estava presente em uma escola que era uma espécie de "purgatório" em forma de escolinha, onde há aulas normalmente, mas que diz-se que se você participar delas, você acaba desaparecendo de algum jeito. Um grupo de estudantes, entitulado curtamente por SSS, decidem se revoltar ao sistema de algum jeito e derrotar o próprio Deus por causa do sofrimento deles no momento de suas mortes e por tudo que eles passaram antes.

Desde então, apesar de haverem alguns mangás e light novels (mais notadamente o Track Zero, que teve uma visual novel... feita por fãs) anteriores e contando o prólogo da série, o anime, de longe, fez um impacto do caramba no coração de todos mundo afora (mesmo que a série tenha *claros* defeitos e um final que particularmente achei forçado e corrido). Tanto que no Japão os imediatos fãs e Key-fags da vida encheram a caixa de mensagens da Key para a produção de uma visual novel da série. Eles sempre falaram que "estavam preparados para isso", mas o próprio Takahiro Baba, presidente da Visual Art's e da Key, admitiu que o projeto andava bem devagar para se anunciar oficialmente que o jogo sairia ou não, ou mesmo se trataria de uma visual novel.

Quer uma surpresa? Clique na imagem
De uns tempos pra cá, coisa de dois meses mais ou menos, a revista Dengeki G revelou o que muitos queriam: uma confirmação de qualquer coisa que indicasse a produção oficial de um jogo da série pra PC. Foi exatamente o que ocorreu, e os fãs, claro, foram à loucura. Os detalhes eram escassos, mas pelo menos algumas coisas foram deixadas bem claras: primeiro, o pessoal de elite de sempre da Key estará no comando para produzir o jogo. Nada de multi-parcerias como ocorreu com Rewrite, vai ser um projeto mais fechado e exclusivo da Key, com direito às já-conhecidas e adoradas CGs de Na-Ga e da trilha sonora/direção de cenário por Jun Maeda. Segundo, pela primeira vez (?), uma visual novel da Key não sairá completa na sua data de lançamento inicial, mas sim, serão divididos em vários volumes, cada um focando algumas personagens específicas... o que dá pra entender, até. Com uma série com mais de 10 garotas principais, seria foda compilar tudo isso de uma tacada só e na correria acabar abrindo uns plot-holes cabulosos.

Não se sabe ainda se o jogo será um eroge mesmo ou não, mas contando com o que estamos vendo da Key até recentemente (incluindo a reação dos fãs com Little Busters! Ecstasy), parece que não será o caso (ainda mais porque, se fosse, teríamos Rewrite com conteúdo, também). Agora, para aqueles que querem conhecer a escolinha dos mortos, vai se surpreender, inclusive com a adição de novos personagens à trama.


O jogo tem previsão de lançamento para a primavera do ano que vem no Japão, o que equivale ao nosso inverno, mais ou menos na metade do ano, com lançamentos dos próximos volumes mais ou menos de 6 em 6 meses, até um total de 6 volumes. O primeiro volume do jogo (meio estranho ler isso, né?) contará com as rotas da Yui, Matsushida (?) e da Iwasawa (fuck yes!), e segundo informações, cubrirá praticamente tudo que a gente já viu no anime até o décimo episódio. O que é bom, pois vai incluir umas boas operações do grupo, poderemos reouvir as músicas de Girls Dead Monster (que, diga-se de passagem, terão músicas novas exclusivas para o jogo), e como você já deveria ter sacado, o protagonista será o Otonashi mesmo. Além disso, o jogo não terá elementos de RPG parecido com Rewrite Harvesta, porém, teremos os famosos minigames dos jogos da Key.

Movimento esperto da Key? Com certeza. Apesar de algumas pessoas odiarem o formato de "visual novel por partes" que ela vai adotar, além de ser um excelente método para elevar seu volume de vendas com mais produtos, vai conseguir satisfazer os fãs que estão quase morrendo por uma visual novel da série, ainda mais se tiver logo a rota que vocês querem estiverem nos primeiros volumes. Além disso, quem que não gosta de um jogo da Key e que sabe que vai ter uma história bem mais foda e completa que o anime?


Então, crianças, não precisam ficar mais nervosos quanto a demora do jogo. Ele está sendo feito e agora é oficial mesmo. Infelizmente, se você foi curioso, sabe que o site oficial (no sentido de divulgar as informações de maneira mais completa e num mesmo lugar) só estará online em Dezembro. Até lá, pelo menos deveremos esperar por um trailer promocional do jogo pra que a gente possa babar ainda mais pelo jogo, e claro, aproveitar a oportunidade pra todo mundo que deu hype desgramado desse anime ver o que a série realmente era para ser.

E você? Está ansioso também?


E só aviso que, se eu souber de alguém copiando o meu post sem dar créditos, vai ter uma surpresinha na sua manhã seguinte. Cansei de ver blogs (grandes) copiando matérias minhas, e enquanto no começo eu não ligava, agora tá começando a incomodar... ameaça? Imagina...

Até a próxima, leitores!
Out.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Conheça Chaos;Child, o quarto jogo de aventura científica da 5pb e continuação de Chaos;Head

 Se você adora jogos no estilo de Steins;Gate e Chaos;Head, pode ficar feliz, pois mais um jogo da (fabulosa) dupla dinâmica Nitro+ (Saya no Uta, Zanmataisen Demonbane, Sumaga) e 5pb (empresa que desenvolveu jogos como Dunamis 15 e Corpse Party, além de fazer ports para Xbox 360, PSP e PS2 de vários jogos já conhecidos como Memories Off, Muv-Luv e W.L.O.) está em desenvolvimento pelas empresas.

O enredo conta sobre a história do distrito de Shibuya, Japão, no futuro próximo de 2015, porém, num futuro onde este distrito sofre com alguns casos bizarros de mortes nada normais... é, exatamente como aconteceu em Chaos;Head, mas pelo jeito, contaremos com novos personagens para a trama, incluindo alguns do próprio Chaos;Head Noah, a versão "estendida" do jogo original, e que estranhamente não foi lançado para PC ainda, mas foi para Xbox, PSP, iOS e até Android.

Pouca coisa foi falada sobre o jogo em si, exceto que o jogo contará com uma espécie de marcas espalhadas pela cidade, e que o descobrimento delas afetará o jogo diretamente... hmm... teria a ver com uma visual novel mais "livre" para você andar e completar side-quests se não quiser seguir a história diretamente, assim como aqueles labirintos de Rewrite Harvest Festa? Só poderemos torcer...


E daí você se pergunta: mas e aquela notícia sobre Occultic;Nine? Bem, vamos lembrar que, apesar de estar sendo escrita pelo mesmo criador de Steins;Gate, Chiyomaru Chikuya, falou em tom alto e claro que sua obra, apesar de estar situada no mesmo universo, será primeiro uma light novel, e que não há qualquer previsão em transformá-la em uma visual novel por enquanto. Além do quê, se, pelo título do jogo, estivermos tratando mesmo de uma continuação direta para Chaos;Head, faria bastante sentido em pensar assim... e também pra deixar o pessoal que odiou o anime da série se animar, já que as visual novels desta parceria de empresas são excepcionais.

Caso você queira ver o teaser de Chaos;Child com seus próprios olhos, é só clicar no vídeo abaixo:



Bem, isso é tudo por hoje. A gente se vê!
Out.

domingo, 24 de novembro de 2013

ALELUIA! FINALMENTE!! É PENTA! PERSONA 5 LANÇA ANO QUE VEM PRA PS3!!!

Sossega a periquita que essa imagem não é oficial. Mas você pode clicar nela pra ir ao site oficial de Persona 5
Vocês sabem que eu não sou de postar coisas em pleno domingo, ainda mais quando estou ocupado fazendo milhões de coisas, mas essa notícia é sensacional demais para eu deixar que se passe em branco. Depois de muitos anos de espera, mais precisamente, desde o lançamento de Persona 4 no final de 2008 para PS2, no finzinho de sua vida útil (pra fechar com chave de ouro) de um dos consoles mais consagrados da atualidade, estive esperando pela continuação oficial do jogo. Nada de spin-offs de luta e crossovers com personagens chibi, eu queria a próxima iteração do universo maravilhoso e extraordinário da melhor série (na minha humilde opinião) de RPGs da atualidade, Shin Megami Tensei, mesmo que abandonasse a "timeline" de persona 3 e 4, alguns dos raros jogos (junto com algumas visual novels) que marcaram a minha vida até hoje. Neste dia, finalmente, a minha espera chegou ao fim... ou, melhor dizendo, entra agora na sua contagem regressiva.


Hoje pela manhã, o canal do Youtube oficial da Atlus japonesa anunciou, por definitivo, o que seria aquela grande novidade relacionada à franquia Persona que ela já estava prometendo há bons tempos. Teve gente que achou de tudo: uns achavam que foi cancelado após a compra da empresa pela Sega, outros achavam que seria o anúncio de algum spin-off da série, remakes em HD de Persona 3 ou 4, mais detalhes do novo jogo de luta crossover, conhecido como (tente não travar a língua ao falar) Persona 4: The Ultimax Ultra Supplex Hold... mas claro, o maior bulício disso tudo era se, realmente, teríamos notícias sobre Persona 5, que desde tempos mais remotos já tínhamos rumores de que a Atlus já estava produzindo o jogo desde antes de Catherine, aquele joguinho de puzzle tipicamente japonês, feito para asiáticos.

No curto teaser sobre o próximo jogo da série de JRPG mostra poucas informações, mas essenciais para os fãs. Primeiro, que os rumores da criação de uma equipe exclusiva para o desenvolvimento do jogo, o P Studio, se consolidou, e que, de fato, estará envolvido nesse projeto (apesar de termos o logo da empresa já em jogos anteriores). Segundo, como consequência disso e para o alívio dos fãs, teremos todos os grandes nomes envolvidos em Persona 3 e 4 participando na criação do novo jogo, que são o roteirista Katsura Hashino (apesar do nome de mulher, ele escreveu roteiros fodas de Nocturne e até mesmo o de Catherine, além de Persona 3 e 4), Shigenori Soejima (o cara das mãos fodas que faz o character design dos personagens) e Shoji Meguro (além de ídolo de muitos, compositor da trilha sonora dos jogos).

Terceiro, o jogo será lançado mesmo no PS3, como haviam muitos boatos, e que de certa forma ainda alegra a vida de quem tem o console mesmo diante de tanta gente querendo mostrar sua ostentação parcelada em 12 vezes no cartão ao comprar um PS4 ou Xbox One e uns joguinhos na semana de lançamento (mesmo com os defeitos que estão surgindo em ambos os consoles). Se fode aí, você que acha que Rise: Son of Rome ou Killzone: Shadowfall chegarão sequer aos pés do que esse jogo promete ser. Tudo indica que, mesmo os jogos de luta de Persona saindo para Xbox 360, o jogo se tratará de um exclusivo para a empresa japonesa de eletrônicos, assim como praticamente todos os jogos de Shin Megami Tensei lançados dos anos 2000 pra cá.

Por último, apesar de ser um período de lançamento bem abrangente e sujeito a alterações (pelo amor de Kami-sama, não faz isso comigo), estão com a previsão de lançar o jogo no final do ano que vem. Infelizmente, não se sabe se essa data de lançamento se refere ao jogo em japonês, ou se haverá algum tipo de lançamento mundial também em inglês para este jogo, assim como se fez com Pokémon X e Y. De um jeito ou de outro, uma localização do jogo para o inglês será inevitável.


... bom, resumindo, o que podemos esperar do novo jogo? QUE SERÁ DO CARALHO, COM CERTEZA!!!

Já tem um PS3? Então não o venda ainda, pois ainda vai ter bastante lenha pra queimar até surgir um jogo do mesmo gênero realmente do cassete pra bater de frente com este. Não tem um? Aproveita o Black Friday nesta próxima sexta-feira pra comprar o seu de natal adiantado... ah, você tem um Xbox/Wii/um console ancião? Bom, tá na hora de vender o seu... eu estou vendendo o meu Xbox, se alguém aí estiver interessado em comprar, manda e-mail "pa nóis".... (eu tô falando sério -d)

O quê? Play-SemHDMI-4? XimbinhaBox Uãn? Wii U com tomate cru? Ah, ainda tem muita coisa pela frente até eu comprar um deles...


Bom, espero que vocês tenham ficado tão felizes e esperançosos quanto eu com essa notícia. A gente se vê no próximo post. Até lá!
Out.

P.S: Sou fã de carteirinha de Persona, sim, e daí? Além disso, quebrei meu recorde de escrever um post tão rápido xP

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

AquaPazza agora disponível em inglês, Atlus anuncia tradução de Conception II com garotas para pegar, engravidar e lutar


Para quem adora jogos de luta 2D com mais de mil personagens e duplas jogáveis... bom, você vai se sentir decepcionado, mas caso seja fã mesmo de visual novels e curtir bastante os jogos da Leaf (Tenshi no Inai 12-getsu, Kizuato e até um joguinho de mahjong bem peculiar) e da Aqua Plus (que já também produziu, em parceria com a Leaf, no desenvolvimento ou na publicação, como To Heart, Utawarerumono, Tears to Tiara e White Album), temos boas notícias: o jogo está, oficialmente, disponível para compra para qualquer PS3 que você possa ter (e se você tem um PS4 (?), sinto muito, mas lembre-se que ele não é retrocompatível com jogos de Play3).

O jogo spin-off/crossover das duas empresas possui um visual bem colorido e uma temática de batalha bem única, considerando que os jogos originais que os personagens foram retirados de visual novels, daquelas de texto passando na tela mesmo, com algumas breves "pausas" nos elementos de RPG dos jogos que as personagens participam (e se relacionam). O jogo foi muito bem avaliado por diversos sites de games pelas internets, elogiando sua história engraçada e sua mecânica fluente de batalha cravada em 60FPS até nos momentos onde os efeitos especiais transbordam da sua televisão, e de quebra conta com um modo online para você que gosta de testar suas habilidades contra o mundo. Apesar de não haver nenhuma tradução oficial de Utawarerumono ou White Album para o inglês, tá aí um bom jogo para começar a gostar das personagens, e quem sabe, até mesmo te introduzir para o universo desses jogos e fazê-lo se maravilhar no universos desses jogos pessoalmente.

Interessou? Eu não ganho nada divulgando jogos assim (nada mesmo!), mas o preço de catálogo do jogo nos EUA é de 30 doletas (R$69,39 segundo cotação de hoje), uma bagatela para quem gosta de jogos de luta e poder se divertir, tanto sozinho com a história e online, ou mesmo com amigos e introduzí-los ao maravilhoso mundo das visual novels cheias de personagens fofinhas e moe... ah, tá pensando em importar o jogo ao invés de pagar mais de 100 pila no jogo aqui no Brasil? A Play-Asia está com ele em catálogo, levemente mais barato, mas com frete grátis para o mundo inteiro. Ah, quanta vontade de comprar um PS3, hein...


E para você que gosta dos brilhantes jogos da Spike Chunsoft (que caso não se esteja lembrado, é a empresa que produziu Danganronpa e Virtue's Last Reward, a continuação da visual novel do caralho chamada 999 para Nintendo DS), você está com sorte, pois a Atlus recentemente anunciou que irá traduzir oficialmente o jogo Conception II, a continuação daquele joguinho de RPG que você tinha que conquistar garota (que na verdade são freiras, caso isso lhe excite ainda mais) e fazer ela engravidar à força para fazer com que seus filhos participasse na linha de frente. Tá duvidando das minhas linhas de texto?? Pois confira por você mesmo se eu estou falando bobagem.

O jogo original para PSP tinha essa premissa, e isso não quer dizer que a continuação para a nova geração de portáteis não é tão diferente assim. O personagem principal tem muitas garotas para escolher, e dependendo da sua escolha, seu filhinho pode nascer como uma das diversas classes de personagens existentes, desde um simples guerreiro ou healer até um berserker tank poderosão com o passar das lutas e dos níveis. Claro, tudo isso não vem mole e você tem que dar uma engambelada nessas garotas antes de partir pro rala e rola... mas quando é com amor, melhor ainda, né? Afinal, seus filhinhos nascem com parâmetros melhores e até virem com "brindes" como itens especiais para o protagonista ou até dinheiro...
...
...
É, é isso que jogos japoneses te ensinam... tudo isso tem história por trás, mas acho que nem vale a pena citá-la depois disso tudo...

Apesar da tradução do jogo original ter ido pro beleléu já que o PSP caiu no limbo dos consoles (não pra mim, mas as vendas de novos portáteis e jogos para ele anda ridiculamente baixa e a tendência é baixar mais ainda), a tradução da continuação para Vita e 3DS tem previsão para chegar até nós em 2014. O preço de catálogo tem previsão de se estabelecer por 40 dólares, e para quem adora RPGs, até que vale a pena a conferida... ou não... bom, eu até que gostei do jogo, mas aí vai de cada um e seus gostos, né...




Isso é tudo por hoje, galera. Até a próxima!
Out.

sábado, 16 de novembro de 2013

Visual Novels - Eles têm espaço para crescer?


Hoje é fim de semana, dia do pessoal desesperado com provas de final de ano se descabelar ainda mais, mas pra quem está de boa, é época de se divertir, e quando se trata de diversão, video-games são uma das alternativas que a maioria acaba por optar. Com tantos tipos de jogos para escolher, às vezes fica difícil escolher que jogo jogar... entretanto, triste mesmo é ver o ciclo se repetir sem dar chance a certos jogos.

Não me leve a mal, adoro jogos de ação, FPS e MOBAs, assim como é a febre do momento, onde jogadores passam tardes inteiras no Skype combinando com amigos a melhor tática para vencer uma partida online, mas certas vezes ficar preso a somente este tipo de jogo seja um tanto enjoativo ou mesmo repetitivo. Por outro lado, uma visual novel, que sempre tem histórias, personagens e desenvolvimento diferentes, é bem difícil falar abertamente que você gosta de jogar esses jogos e correr o risco de ser visto como "pervertido" ou "forever alone". Então, resta a pergunta: será que Visual Novels têm mesmo potencial para crescer e se tornar um gênero visto com outros olhos pelo público gamer? Ou seria mesmo um gosto peculiar que é difícil convencer alguém, e que por isso, acaba não recebendo tanto suporte?

Novamente, friso que este blog não prevê o futuro, e o que falo aqui é fruto do que vejo e do que pesquiso, então, se você acha que vns estão se espalhando e que tem "x" amigos que jogam e trocam ideias de vns com você... você é um sortudo do caramba! -d

Se olharmos para os Estados Unidos ou mesmo na Europa, o gênero de visual novels está progredindo bem, por mais que de forma lenta e não tão expressiva quanto era de se esperar. Fansubs de países da Europa são os maiores depois do inglês, russo e chinês, enquanto todos os anos sempre temos lançamentos bons no que se refere a traduções de visual novels por lá, tanto oficialmente com o início das vendas de visual novels traduzidas para o francês e a parceria com grupos doujin menores, quanto por fãs, como a célebre tradução de Yumina the Ethereal e anúncio da tradução de Steins;Gate para o inglês, ou, para traduções por fãs, a reta final para a tradução de Fate/Hollow Ataraxia.


Apesar de não ser igual ao Japão, com seus trocentos eventos de anime/comikets para divulgação e anúncios oficiais das empresas do gênero, eventos similares estão se espalhando por lá também, até ganhando uma palinha na PAX, um dos festivais de games anuais mais famosos dos EUA, e até ganhando prêmios em competições. Pode parecer coisa pequena no começo, mas junte isso com o crescente volume de fansubs e sites que falam desses jogos, os projetos no Greenlight da Steam (e as visual novels que estão lançando na moral) e no público cada vez maior que assiste animes ou acompanham mangás, é meio que normal que esse gênero fique mais famoso com o tempo, não...? Bem, nem tanto.

Pra começo de conversa, completar uma visual novel é, geralmente, um trabalho bem mais árduo que zerar um jogo qualquer para consoles, uma vez que, enquanto no console você tem mais interação, em visual novels, você só lê textos e mais textos, com exceção de alguns jogos que incluam elementos de RPG ou jogos tipo Phoenix Wright e Danganronpa com suas engines de "simulador" peculiares (mas que também envolvem bastante leitura e menos cutscenes). Segundo, nenhuma visual novel tem opção de jogar online (seja lá como seria uma visual novel online... apesar que já chegamos perto disso), o que mata as chances de maior motivação para continuar explorando o universo da série caso você não tenha muito tempo para ficar jogando trocentas rotas. Terceiro, visual novels requerem paciência, pois você não aproveitará nada do jogo se simplesmente pular as falas iniciais ou "querer zerar rápido"... então, o que fazer pra melhorar isso sem desvirtuar e acabar criando um JRPG ou um jogo de ação no lugar disso?

Bem, uma resposta pra essa pergunta é difícil, mas ideias sempre surgem no mundo da indústria de games. Tem até visual novels que postam seu progresso no Twitter (Imouto Paradise em japonês tinha essa função), por mais que sejam raros esses jogos, e um esquema de DLC não seria tão má ideia se fosse praticado num preço moderado (similar ao "upgrade" de Dengeki Stryker para a versão "Chou" do jogo, que inclui mais rotas e até novas personagens)... mas, será que só isso bastaria?

Cá convenhamos, acabamos de entrar na oitava geração de jogos e visual novels permanecem praticamente do mesmo jeito que eram há 15 anos atrás, apenas com melhorias nas técnicas gráficas usadas na construção de CGs para os jogos e na complexidade delas, que agora alcançam até 10 GB sem problemas. Entretanto, quase não se vê recursos sociais neles, tampouco se vê uma interação maior do jogador, exceto para alcançar a true route do jogo ou para habilitar uma cena especial. Além disso, é quase que inviável fazer um jogo com boa qualidade nos gráficos e na animação em tempo hábil e com retorno para a empresa (é só olhar os jogos da série School Days: todos parecem animes infinitos, mas agora a Overflow está falida), e tirando empresas indies que fazem jogos do gênero para iOS e Android, a crise da indústria de jogos do gênero não vai se solucionar tão já.


Agora, quanto mais gente conhecer visual novels sem a visão preconceituosa que muitos têm, perceber que procurando nos lugares certos, pode-se encontrar histórias que podem tocar o seu coração e mudar sua visão do mundo, e de quebra, fazer amigos que gostem de jogos que você gosta desse âmbito, seria muito mais fácil motivacionar a expansão desse gênero, até mesmo no que se diz de visual novels genuinamente brasileiras e feitas com qualidade, ou numa possível parceria entre fansubs de vários países com empresas internacionais, para tradução de diversos jogos simultaneamente para vários idiomas e fazer tal expansão ser ainda mais fácil e notória. Seria utopia da minha parte pensar que este gênero realmente possa virar uma coisa ainda maior no futuro para nós, brasileiros? Ou seria apenas uma possibilidade que deveria ser levada a sério para que isso ocorresse? (afinal, aconteceu isso com video-games antes, lembra? Antigamente era tudo "coisa de nerd", mas agora até adultos e idosos jogam um Candy Crush ou Criminal Case da vida).


Bom, o post foi pra pensar, mas gostaria de ouvir os comentários de vocês. Com isso, eu me despeço!
Out.

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Suisei no Gargantia vai ganhar MMO em 2014, Spin-off de Soul Eater vai virar anime


Um anime recente que chamou muito a atenção por ser um anime envolvendo mechas com um desenrolar de história bem distinto de outras séries do tipo foi Suisei no Gargantia. Mesmo que a série seja recente (o anime da série começou em Janeiro deste ano e já tem uma temporada de anime completa, com uma sequência anunciada), é uma série que ganhou um grande apego dos otakus menos "hypados" com séries mainstreams como Shingeki no Kyojin, mas ao mesmo tempo buscando fãs de séries similares como Code Geass e Evangelion.

Você deve estar pensando "Ah, mas é apenas um anime que deu sorte de ser pego pela Production I.G, que já é conhecida por fazer animes de boa qualidade.", mas tudo nesta vida tem um motivo, e o motivo desta série se dar tão bem entre os fãs de animes em geral é o fato de ter sido escrito por Gen Urobuchi. Lembra dele? Não? Ah, é ninguém menos que o escritor de diversas visual novels da Nitroplus (Saya no Uta, Kikoukugai, Phantom of Inferno) e de outros animes que ganharam grande destaque, como Madoka Magica, Fate/Zero e Psycho-Pass. Melhorou seu conceito para com o anime agora? E se eu disesse que o compositor das (belíssimas) músicas da série é do mesmo compositor das trilhas de filmes de animes como Fullmetal Alchemist e Samurai X (ou Rurouni Kenshin)?

Não foi por menos que a DMM, desenvolvedora de jogos japoneses já está com planos para um jogo da série, que, segundo eles, irá incluir um modo história, um mundo gigantesco a ser explorado, e a possibilidade de participar em batalhas de escala assustadora, assim como Ledo fazia no anime. Infelizmente, não há previsão de lançamento para este jogo (a não ser que será em 2014), nem se sabe se ele vai um dia lançar para nós, pobres ocidentais, mas tá bem promissor.


E para você que ainda é fã de Soul Eater (ó eu aqui!) e está triste por causa do fim do mangá original no Japão, não se desanime: haverá um anime do spin-off, Soul Eater NOT!, com produção para o ano que vem.

... tá, pode ficar triste agora.

Só se sabe que o anime foi confirmado e que um punhado de seiyuus do anime original vão voltar (o que é meio óbvio, mas enfim), mas pelo menos vai ser um bom passatempo para quem curte a série e quer ver algo mais light e engraçado do que a série original de Atsushi Ohkubo (e também enquanto espera o mangá original terminar aqui no Brasil... certo, JBC?). O foco desta série é em um grupo de meninas da Shibusen, a escola de artesãos (artífices?) e armas sobrenaturais, só que antes de toda a parada do Kishin ressurgir e tudo mais. O compasso do anime é bem leve, como frisei anteriormente, mas pra quem acha graça em séries como K-ON, Suzumiya Haruhi, Lucky Star e demais animes nonsense por aí, já sabe qual será o próximo anime da sua listinha... e enquanto isso, nada de um jogo de verdade de Soul Eater... sem ser aquela desgraça lançada para o Wii...


E chega de digitar por hoje! Até a próxima, pessoal.
Out.

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Conheça um jogo onde você deixa mulheres (do mal) peladas, NIS America vai traduzir novos jogos de Mugen Souls e Neptunia Idol PP

Desde quando alguém vai pra rua com um leque gigante?
Japão: o pais que vive no ápice da tecnologia. Japão: o pais que vira e mexe inventa coisas mirabolantes e que antes todos consideravam impossíveis. Japão: pais do pão que muitos adoram chamar de lar, doce lar. Japão: pais também das maiores bizarrices do mundo lado a lado com Rússia e Coreia, só que pior, tanto que a paixão (ou obsessão?) por certas coisas passem um pouco do limite em alguns casos.

Akiba's Trip seria um jogo como qualquer outro, onde você tem ação, explora a terra do oriente, conhece umas boas curiosidades, recriação real de certas lojas e shoppings de Akihabara... exceto que aqui, a pancadaria come solta e até bishoujos que viram vampiros terão que ser derrotados... batendo forte nelas? Mas que sem graça! Claro que seria despindo ela, não?

O jogo da empresa Acquire (mesma empresa de Sumioni, Kamizawa e Ken to Mahou to Gakuen Mono) é apenas para maiores de 15 aninhos, mas isso não tira que se trata de um jogo, no mínimo, peculiar. Além de óbvias melhorias em comparação com o jogo anterior exclusivo para PSP, agora o jogador terá ao seu dispor uma companheira loli (claro!) que botar o pau pra comer junto com você (mas não para você), além de conhecer lojas recentes e curtir mais eventos com as vozes das personagens do jogo.

Agora, por que eu falei desse jogo? Porque se você está aqui, chances são que você queria ver o quanto o Japão é bizarro, não? Em todo caso, o jogo já foi lançado na terra do sol nascente, com versões para PS3 e Vita, que graças à Kami-sama, não têm trava de região. Uma localização do jogo seria bizarra não está prevista no momento.

PUREISUTACHION ♫♪
O quê? Vocês quer MAIS notícias de jogos do Japão? Pois não feche esta aba ainda. Senta aí que o bolo tá quase pronto. Na verdade, o bolo foi uma mentira, mas que os jogos Hyperdimension Neptunia Idol PP e Mugen Souls Z virão para o ocidente em 2014, isso é a mais pura verdade. A NIS America, que já nos fez o favor de traduzir Mugen Souls e os outros 3 jogos anteriores de Hyperdimension Neptunia para PS3 ainda está com vontade de satisfazer os fãs (e fazer uma graninha com isso, apesar das reviews profissionais que não curtiram os jogos tantos assim) e nos dará a graça de traduzí-los para o inglês, mantendo o áudio em japonês... ou, pelo menos, nos dando essa opção para quem prefere legendado a dublado.

Neptunia Idol, ao contrário dos jogos tradicionais da franquia, não se trata de um JRPG contra um vilão que quer dominar o mundo ou algo parecido, mas é um spin-off recheado de fan-service e que conta inclusive com um simulador de idols, com as diversas heroínas do jogo cantando enquanto você pressiona botões aleatoriamente no ritmo da música, tipo Idolmaster. Se é legal? Você nem imagina.

Mugen Souls já é o seu JRPG por turnos do jeito que você espera mesmo. O jogo tem seus gráficos parecidos com Disgaea, uma boa dublagem original como é de se esperar, e os personagens em formato chibi são bonitos, e até tem direito a batalhas com robôs gigantes. Todo mundo gosta de gigantes, não?

Não temos uma data definitiva para o lançamentos desses jogos, mas vocês podem ver um pedaço dos gameplays desses jogos aqui e aqui. Pra quem gosta, é um bom aperitivo pra considerar após o lançamento.


Esse foi o post de hoje. Até mais!
Out.

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Narcissu 1st & 2nd está no Greenlight da Steam. Bora ajudar?


Visual novels são jogos que ainda não são tão reconhecidos no ocidente, quanto mais por parte dos jogadores que se acham hardcores, mas na verdade mesmo só jogam FPSs e MOBAs da moda. Eu sempre bato na tecla que, apesar da expansão dos grupos de tradução de jogos desse gênero, ainda deixa uma grande gama de jogadores no escuro sobre esse tema. E que tal se a gente pudesse ajudar a esse papel mudar? Se você tiver uma conta na Steam e já tiver comprado algum jogo/DLC/gastou dinheiro naquela joça, você pode ajudar nisso.

Pra quem não conhece, o Steam Greenlight é um programa da loja virtual da Valve (que, caso você não saiba... eu não sei onde você esteve enfiado até hoje... mas são os criadores de Half-Life, Team Fortress e Portal) que "dá uma chance" para empresas e desenvolvedores pequenos tentarem colocar os seus jogos na loja virtual com a condição de receber bastantes votos dos usuários da Steam, que basicamente representam o potencial de compra do jogo para os usuários. Não é por menos que não basta ser usuário do sistema, mas sim alguém que gasta periodicamente as suas economias por lá pra poder votar no Greenlight. Recebeu bastante voto? A Valve vai te contactar oficialmente para colocar seu jogo no seu site. Não conseguiu os votos? Ela entende que "seu jogo não a merece" e o jogo continua no limbo.


O jogo nada mais é que um compilação do primeiro jogo da série (cujo qual tem uma tradução nossa para o português disponível aqui, de graça) com o segundo jogo, que na verdade é uma prequela do jogo original e conta sobre o passado da Setsumi antes de conhecer o protagonista da primeira visual novel.  O jogo promete vir tanto na versão original em japonês, mas com opção de colocar as legendas em inglês (revisadas), além de melhor suporte para jogar esse jogo em Linux e Mac (são mais difíceis rodar VNs comerciais neles, diga-se de passagem).

Você deve estar se perguntando "Mas Out, os dois jogos estão disponíveis de graça no site da stage-nana. Apenas o terceiro jogo e a compilação "trilogia" que são lançamentos comerciais atualmente." De fato, tem a possibilidade do jogo sair de graça na Steam, mas nada é certo por enquanto, uma vez que manter um site desse porte não é nada barato, tanto por conta dos servidores deles e seu crescente acervo, quanto por parte do seu desenvolvimento (forte) em áreas novas recentemente, como do Steam OS e do Steam Machines. Não digo que seja impossível que o jogo saia de graça, mas contando tudo, eu acho improvável. Vai lá, que custe 3-4 dólares, é um preço que já é bem convidativo, incentiva mais pessoal a gostar do gênero com cada vez mais jogadores (assim como aconteceu com Higurashi e Dysfunctional Systems, que deram certo), prova que jogos desse tipo pode gerar um bom lucro por aqui, e dá bandeira verde para que mais visual novels sejam lançadas no programa para aumentar o acervo dos colecionadores digitais de plantão.

Quer colaborar? Clique aqui e muito obrigado!

E isso é tudo. Até mais!
Out.